Hypocrisis

Num manifesto coletivo, um grupo de teatro iniciante decide apresentar uma peça que fale sobre a figura do ator. Eles elaboram algumas cenas que narram a história deste personagem, estabelecendo uma perspectiva que vai e volta no tempo, trazendo à tona uma visão critica sobre a arte de atuar

Para falar de questões que permeiam os debates hoje, como a perda da identidade, a mecanização de corpos e lugar de fala do artista brasileiro, o diretor Reinaldo Dutra montou o espetáculo “Hypocrisis”, fruto de experiências do próprio elenco. Com dramaturgia, cenografia e figurino frutos de criação coletiva e sem uma história linear, o espetáculo fala dos atores, profetas e loucos que residem em cada um de nós. A intenção do diretor é fazer do ator também criador de sua própria arte. A apresentação envolve teatro gestual, dança e música, em uma forma de transversalidade da arte, aguçando a própria percepção do ator em relação a seu processo criativo. Há, assim, uma maior valorização do gestual e corporal do ator, buscando tocar o público pelos sentidos. Para isso, “Hypocrisis” tem pouco texto e mais referências do teatro gestual e físico, sendo estas as peças-chaves para a construção dos atores e da relação com o público. O público se conecta com o espetáculo a partir da necessidade de decifrá-lo.

Temporada Hypocrisis:
Junho | 01, 08, 15, 22 e 29
Sábados, 19h.
Classificação 14 anos
Ingressos: 40,00 (inteira) e 20,00 (meia)

Ficha técnica:
Dramaturgia : Reinaldo Dutra com colaboração coletiva.
Direção: Reinaldo Dutra
Assistência de direção: Clara Taranto e Victor Lobato.
Sonoplastia: Criação coletiva
Cenografia: Tom Marinho e grupo.
Iluminação: Sylvio Moura
Direção de Produção: Rhaiany Soares
Assistência de Produção: Cynthia Lima, Marcela Almeida e Victor Lobato.
Figurino: Gabriel Pereira com colaboração coletiva.
Vídeo: Tom Marinho
Realização: Oficina Social de Teatro

Comments are closed